Caixa de texto: Psicanálise e Arte/RJ
Coordenação Sonia Viana
pa@cpecs.org

 

Ferreira Gullar - “Fazer arte é soprar espírito na matéria”

Sonia Viana: - “Fazer psicanálise é desvelar o espírito do ser”

 

Ambas buscam expressar o mistério do ser. O ser em si do universo. São formas de manifestação e compreensão da vida.

 

Freud para ter aceitação de suas idéias buscou enquadrar sua criação no modelo científico, mas a especificidade do objeto de seu estudo o fazia deslizar de um enquadre metodológico para a lógica do inconsciente,  que  se relaciona com a lógica das partículas. O ser nunca esta em repouso, seu movimento é constante. Esse movimento incessante provoca criação. O que se altera é o ritmo. O que se repete é pura ilusão. A transformação é permanente, só que na maioria das situações é imperceptível. Acreditar que somos os mesmos nos dá sustentação. O novo fascina e assusta. O novo é o estranho familiar que nos habita. Encanta e causa horror.

 

Psicanálise é arte ou ciência? Será esta uma questão importante? O que nos interessa é que ambas são experiências que surgem do buraco negro da existência. Ambas falam da criação. Criação que não tem origem nem fim. Criação que surge da composição, do acaso das relações, dos bons encontros que nos provocam alegria e amor, energia mais do que suficiente para expandir o ser do universo.

 

A proposta deste Departamento é refletir sobre as diferentes manifestações artísticas, sobre o processo criativo e estabelecer um diálogo entre a psicanálise e as produções culturais objetivando construir um questionamento mútuo.

Esse departamento se propõe também  criar oficinas de arte objetivando a utilização da arte como forma de se trabalhar a força-potência que nos constitui.

Psicanálise e arte produzem uma forma emocional de conhecer que esta em oposição ao conhecimento teórico e intelectual. Sendo o CPECS uma instituição macromicro que objetiva incluir o sentir no campo da ciência acreditamos que o estudo e a pesquisa desses segmentos do conhecimento irão contribuir para ampliar os horizontes do saber de um modo mais integrado.

 

                                                   Sonia Viana